Comida, cultura e dignidade: como funciona o Refettorio Gastromotiva

Nesta segunda-feira (5/12) comemora-se o Dia Internacional do Voluntariado. A data simboliza a dedicação de milhões de pessoas que, diariamente, doam um pouquinho (ou um montão) do seu tempo às causas sociais, pela vontade de ajudar e tornar o mundo um lugar mais amigável para todos. Para comemorar a data, começo meu projeto pessoal de apresentar iniciativas bacanas que estão acontecendo pela cidade e que são feitas com voluntários! Cheguem mais, abram corações e mentes e descubra como é bom ser do bem! 😉

Um das iniciativas mais legais que a cidade do Rio recebeu neste ano foi o Refettorio Gastromotiva. A ideia do restaurante é simples e incrível: fornecer um jantar gratuito e de qualidade para quem não poderia pagar por isso. Já falamos sobre o projeto na época da abertura, leia aqui.

Consigo ler daqui as perguntas que estão passando pela sua cabeça, e trago a resposta para todas elas:

Da onde vem a comida?
Tudo é feito com alimentos que seriam descartados por supermercados e restaurantes.

Quem come?
O jantar é oferecido, de segunda a sexta, para cerca de 70 pessoas em vulnerabilidade social, que são acolhidas por entidades parceiras, como a Secretaria de Assistência Social, abrigos municipais e o coletivo Casa Nem, por exemplo.

Quem cozinha?
Chefs dos melhores restaurantes da cidade, que levam sua equipe, montam um cardápio e cozinham de graça. Além deles, há uma equipe fixa no local, que faz toda a logística para dar tudo certo, diariamente.

img_9096
Na noite que participei, a cozinha foi comandada pelo chef Emiliano Sabino, do Hotel Hilton./Fotos: Refettorio Gastronomia e Rio de Graça

Quem serve os convidados?
Qualquer pessoa que quiser se voluntariar, no caso, nós!

Onde funciona?
O Refettorio fica na Lapa, num espaço cedido pela prefeitura que se transformou em um galpão com restaurante, cozinha profissional, escritório e espaço para eventos.

img_9055
Lindo, né?

E como o local se sustenta? 
A parceria e apoio de empresas, além de doações e trabalho voluntário de muita gente legal.

Tudo começou com o inovador David Hertz, criador da Ong Gastromotiva, dedicada à capacitação de jovens em vulnerabilidade para trabalhar em restaurantes. David, que é chef de cozinha, trouxe para o Rio conceito do Refettorio Ambrosiano, criado pela ONG Food for Soul, de Massimo Bottura, o aclamado chef italiano, considerado o melhor do mundo!

A partir de muitas parcerias, a versão brasileira do Refettorio ficou pronta durante as Olimpíadas, e chamou a atenção de todo o mundo. Cozinharam no local chefs como Alex Atala, Alain Ducasse, Claude Troisgros e Roberta Sudbrack. Mesmo depois dos Jogos, o local continuou a receber apoio de muita legal, que se voluntaria para trabalhar cozinhando e servindo as dezenas de convidados que passam por lá diariamente.

E eu fui uma dessas pessoas! 🙂

Já achava o projeto lindo e queria muito conhecer de perto como tudo estava funcionando depois das Olimpíadas. E o trabalho está incrível!

Para começo de conversa, a Gisele, assistente social responsável pela área dos voluntários, é uma pessoa sensacional (agradeço a paciência dela e da Mari em responder as dezenas perguntas que fiz! ❤ Sabem como é jornalista, né…). Mesmo quem não tem experiência com cozinha pode participar! Eu e mais cinco voluntários fomos recebidas poe ela, que nos explicou t-u-d-o sobre o projeto e sobre o trabalho que iríamos realizar.

Nossa missão: servir os 70 convidados da noite: entrada + prato + principal + sobremesa (veja nas fotos que lindeza de pratos!) . O cardápio foi criado pelo Emiliano Sabino, chef executivo do hotel Hilton, da Barra da Tijuca. Os convidados da vez eram jovens e adultos em situação de rua.

Aprendemos rapidamente a dinâmica de entrada e saída das refeições, tiramos dúvidas, ficamos com um friozinho na barriga e fomos para os nossos postos de trabalho. O processo do jantar dura cerca de uma hora e é incrível. Acho o ato de cozinhar para alguém uma espécie de entrega e doação. E participar deste momento, servindo um bom jantar para quem, tantas vezes, é invisível para a sociedade, é uma experiência única e transformadora. Ao final do jantar, voluntários e equipe podem jantar e conversar sobre suas experiências. ❤

Às vezes a gente sonha em mudar o mundo e esquece o poder transformador das pequenas ações. Tratar bem quem está perto de nós, enxergar o próximo como cidadão e ceder um pouco da gente para ajudá-lo, seja como for. O trabalho voluntário nos mostra que é possível ajudar além da doação de dinheiro. A doação do tempo muitas vezes é mais importante, já que empresas, por exemplo, podem contribuir financeiramente, mas o esforço e a dedicação de quem se compromete a passar um tempo ajudando não tem preço. (No final do jantar, o chef Emiliano ganhou um desenho feito por um dos convidados! <3) 

O Refettorio Gastromotiva já é uma iniciativa linda e transformadora, e promete inovar no próximo ano, abrindo seu restaurante ao público na hora do almoço, com o esquema “pague o almoço e doa a janta”, em que cada refeição servida paga o janta que será doada no fim do dia. Abaixo, alguns dos recados que os convidados deixaram nas mesas durante a refeição.

Gostou desta iniciativa e gostaria de se voluntariar? Envie um email para a Gisele: voluntarios@gastromotiva.org

Para conhecer mais sobre o projeto, acesse: www.refettoriogastromotiva.org

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s